sábado, 12 de dezembro de 2009

Cristo de San Juan de la Cruz, segundo Salvador Dali

Quando era adolescente, o gênio da pintura surrealista, Salvador Dali foi ao Mosteiro da Encarnação, em Ávila, visitar o túmulo de São João da Cruz, seu "poeta de devoção", como ele mesmo dizia. Na ocasião, ao conhecer a antiga cela do místico, Dali viu um pequeno desenho da crucificação de Jesus Cristo, feito de uma perspectiva totalmente inusitada, e que na sua opinião só poderia ser "consecuencia de un estado de éxtasis!..."




Em 1951, já adulto e famoso, Dali fez sua própria versão da imagem, e pintou um Cristo de cabelos curtos, sem coroa de espinhos, sem sangrametos e, no lugar da famosa inscrição no topo da cruz, ele colocou uma folha de papel dobrada: um poema de São João da Cruz!... Abaixo, pintou a baía de Port Lligat, onde vivia. Ao expor a imagem, Dali declarou que sua "ambición estética en ese cuadro era la contraria a la de todos los Cristos pintados por la mayoría de los pintores modernos, que lo interpretaron en el sentido expresionista y contorsionista, provocando la emoción por medio de la fealdad. Mi principal preocupación era pintar a un Cristo bello como el mismo Dios que él encarna."

3 comentários:

fatimapombophotos disse...

Não é a toa que o Dali fosse alcunhado de louco psicopata , varrido....

O Bibliotecário disse...

Uma loucura próxima da descrita acima, nopost anterior.

helentry disse...

Por que será que este louco é até hoje tão apreciado? A loucura diz a verdades que estão represas no íntimo , que o social não permite que aflore? Será isto? A arte é a mais linda das loucuras!