quarta-feira, 18 de abril de 2007

A criatura foge ao criador...


“Ela nasceu de uma saia velha da tia Anastácia. E nasceu vazia... Foi enchida de macela e ficou no mundo feito uma boba, de olhos parados como qualquer boneca. Feia. Dizem que era feia que nem uma bruxa. Seus olhos Tia Anastácia os fez de linha preta.”
“ Veio a boneca. O doutor escolheu uma pílula falante e pôs-lhe na boca – Engula de uma vez! Disse Narizinho ensinando à Emília como se engole pílula. E não faça tanta careta que arrebenta o outro olho.
Emília engoliu a pílula muito bem engolida, e começou a falar no mesmo instante. A primeira coisa que disse foi: Estou com um horrível gosto de sapo na boca. E falou, falou, falou e falou. Falou tanto que Narizinho , atordoada, disse ao Doutor que era melhor fazê-la vomitar aquela pílula e engolir outra mais fraca.
Não é preciso – explicou o grande médico. Ela que fale até cansar! Depois de algumas horas de falação, sossega e fica como toda gente .
Isso é fala recolhida que tem de ser botada para fora.
E assim foi. Emília falou três horas sem tomar fôlego. Por fim calou-se”

3 comentários:

Badá Rock disse...

Sou uma ignorante, mas nunca li o Sítio do Pica-pau Amarelo. De Lobato, não tenho nada, exceto uma tradução sua das "Aventuras de Tom Sawyer", maravilhosa. Comprei só por ser dele. Nada se perdeu.

Badá Rock disse...

Perdão, o correto é: Sou uma ignorante, POIS nunca li etc.

O Bibliotecário disse...

Minha experiência no gênero e, especificamente, na obra de Lobato também são limitadas. Mas o que me consola é que ainda temos tempo.